coisas que eu descubro

friendship is like... taking pictures with your friends!

eu e uma amiga. sem prejuízo de sentimentos para nenhuma das outras. adoro-vos a todas de coração, de IGUAL modo, jeito e maneira. nem um bocadinho mais nem um bocadinho menos. mas esta foto de nós duas está muito gira e lembra-me uma tarde boa de OutJazz... 

eu e uma amiga. sem prejuízo de sentimentos para nenhuma das outras. adoro-vos a todas de coração, de IGUAL modo, jeito e maneira. nem um bocadinho mais nem um bocadinho menos. mas esta foto de nós duas está muito gira e lembra-me uma tarde boa de OutJazz... 

estava eu hoje sentada a ler o meu compêndio de revistas (sim, já se tornou praticamente nisto), quando uma mãe árabe moderna (sem abaya, traduzo) me pediu por favor (pormenor relevante numa cultura educativa ainda a estabelecer-se) se se podia sentar ao meu lado. dividir a mesa dupla debaixo daquele sol quente pós tempestade que inundou todo o deserto (compreendo que seja difícil conceber esta imagem, mas não estou a exagerar). dizia eu: daquele sol quente, que já não queima, que só aquece, só amorna e suaviza, como num namoro tranquilo de primavera.

- are you going to need those two? - perguntava-me ela de longe, a apontar-me para as mesas. uma mão na mão do filho, outra alternando entre o cabelo, a mochila e as mesas. (seria um homem capaz de tamanha destreza? evidente que não)

o empregado de mesa a observar-nos.

- no, of course not!  you both can sit - acenei-lhe afirmativamente, contorcida na cadeira (encontravam-se ambos, ela e o filho, nas minhas costas) mas tão simpática quanto o dia me pediu que fosse, e aquela pessoinha de caracóis morenos já impaciente parecia merecer.

o empregado agradeceu-me o gesto com um sorriso simpático.

sentaram-se.

continuei nas minhas leituras, a abrir o iPad volta e meia, a ouvir sem ouvir a conversa dos dois, a achar que o dia estava lindo e que tão bom que era ver famílias reunidas ali. um pai deitado com um filho de meses sobre a relva, uma mãe de carrinho a passear-se calmamente, miúdos a jogaram à bola, pessoas a lerem, a conversarem, a rirem entre limonadas e chás. tão bom que era (é), afinal, o Dubai. tanto felicidade (me) traz ver os outros felizes. mesmo que nada saiba da vida deles. ouvir-lhes a música muda é normalmente suficiente. 

that was the picture.

continuava semi-compenetrada nas leituras, quando a mãe se levanta, não sem antes informar o filho de que lhe vai buscar um sumo e um 'bolinho', sweety. o miúdo não liga. passado dois minutos levanta os olhos do livro e chama pela mãe. observei-o disfarçadamente. não achei que estivesse em pânico e decidi ignorar. ou melhor: não me meter. 

- oh... i've lost my mum again... - oiço-o dizer pouco depois, já a entrar em modo solavanco.

é aí que percebo que os seus olhos procuram resposta nos meus, por entre aqueles caracóis revoltos. cruzamos olhares, está visto. os miúdos são tão genuínos e inocentes nisto: achar que partilhar um lugar com um estranho concede (ao estranho) direito de resposta ou intromissão. envolvimento. confiança. credibilidade.

respondi-lhe:

- i think your mum went inside to get you something to drink, right? 

- oh, yes... - e inclinou-se para a procurar - now i can see her from here...! - voltou a colar os olhos nos desenhos, visivelmente mais descansado.

(sempre tive um dom qualquer para tranquilizar miúdos, que hei de fazer?)

a mãe regressou, já com o sumo e um pequeno bolo para dividir a dois. começou a ler-lhe os diálogos no livro. e eis que a oiço dizer: 'friendship is taking care, loving and helping someone'. (até aqui tudo bem). E acrescenta: 'friendship is like... taking pictures with your friends!'.

(até aqui tudo mais ou menos)

e depois queixam-se que os miúdos vivem em modo instagram! já, tão novinhos. 

deixem-nos lá brincar com os carros, as bicicletas, as bonecas, os gizes e os quadros. meter a mão na relva e sujarem-se na areia. e façam-nos ler muitos livros antes de pegar em qualquer gadget, please! 

Inês *