twenty fourteen

1c3f63eee1b72da7f56c95fbd8215e72.jpg
02227657b1ea063e7afc55e5288694c4.jpg
Inês _ Isabel Saldanha Photography051.jpg

o novo ano para mim não foi diferente no significado. as expetativas são sempre maiores do que a realidade da promessa permite. entrei no ano num autocarro - a minha irmã pergunta-me se foi com o pé direito; honestamente não me lembro (às vezes perco-me nesta coisa dos simbolismos). os meus olhos apanharam ao longe os foguetes do Burj Khalifa (o maior espetáculo pirotécnico guardado para a data, escreveu-se). quando o relógio marcou as 0 horas, congratulei desconhecidos. a achar que preferia estar rodeada de uma mão cheia de pessoas queridas. mas, não necessariamente desanimada. o meu pai, na sua maneira 'especial' de encarar a vida, escreveu-me que um dia vai ser doce partilhar esta e outras estórias com os meus filhos. talvez tenha sido a coisa mais acertada que me disse desde o dia que me viu partir. 

o ano que passou trouxe-me muita coisa boa. conquistei metas pequenas, outras realmente grandes; algumas surpresas, mas quase todas fruto de muito esforço. li recentemente que para os criativos (pessoas que gostam de inventar coisas e pôr as mãos na massa com facilidade e resiliência), o trabalho tem o divertimento por designação. e, portanto, tudo o que me deu imenso trabalho, também me deu muito gozo. é verdade. valeram as horas que dormi a menos - conciliar mil trabalhos não é fácil -, o caminho que palmilhei e a pesquisa megalómana para conseguir chegar e estar onde queria e sabia que era importante pela recompensa futura. algumas vezes, foi preciso pôr de parte 'as minhas pessoas', mas é só por ter a compreensão dessas pessoas que posso prosseguir este caminho. a elas, um obrigada/o do tamanho do mundo. é bom saber que não desistem de mim. na verdade, a espera é uma virtude que não está ao alcance de todos. sou uma sortuda por ter quem espere com respeito, consideração, amor e total cavalheirismo.  

o novo ano abre comigo em dois projetos dos quais não posso ainda falar - nesta coisa de se ser freelancer, sobretudo na minha área, o tudo e o nada caminham lado a lado.

é preciso paciência, dedicação e trabalho para que as coisas resultem. e é preciso falar no momento certo.

há três cursos 'na manga' que se dividem pelo Dubai, Londres (again) e Lisboa. e todos eles serão concluídos este ano.  

e há a Susan Miller a dizer-me (previsão Janeiro 2014) que preciso libertar-me do trabalho e descansar, desfrutar dos momentos felizes que este mês me reserva em família, com o namorado (soa ainda estranho escrever noivo!) e amigos.

para uma workaholic, estas palavras parecem complicadas, mas juro - já prometi a mim mesma - que vou tentar. 

de uma coisa tenho, porém, a certeza. 2014 será um ano de igual empenho e compromisso, de mais tempo passado com a família e os amigos (a distância resolve-se à medida das possibilidades, claro), de mais lugares e espaços bonitos, mais descoberta, sonos acertados, o mesmo olhar curioso perante a vida e o mesmo sorriso fácil, e uma tattoo, exatamente como a da imagem (eu sei, surpresa). 

estou a pensar escolher a palavra 'embrace' e traduzi-la, gravando-a nas costas, em árabe.

embrace. noun: abraço. verb: abraçar, compreender, aceitar, incluir.

Inês _ Isabel Saldanha Photography023.jpg

abracem muito este ano! :)

Inês *