make a wish

escolham o vosso. este é o meu. 

depois de um dia que não podia ser mais pequeno porque a semana tem sido assim: longa demais, curta para o que me apetece. alguém pode pegar em mim, vestir-me um fato de qualquer coisa (serve de surf) e rodopiar comigo nas ondas? 

também aceito um pequeno almoço prolongado em qualquer lado. desde que de lá oiça o oceano e possa sentir o sabor da papaia a desfazer-se na boca. 

hoje a agência disse-me que precisava escrever mais (finalmente a reunião). lembrei-me que aos 12 anos escrevi um livro de menina e houve uma editora infantil que se ofereceu a publicá-lo. ainda me lembro do dia em que entrei na sala de reuniões com a minha mãe, que conseguira o contacto. fui eu quem falou e em nenhum momento ela sobrepôs a sua vontade à minha. deve ser isto que fazem as mães esclarecidas, verdade? elevam-nos sem nunca nos empurrar do caminho que é o nosso mesmo que não seja exatamente o delas. desta mãe que é minha mas já não está copiei muita coisa. o rosto fui-lhe buscar todo, o corpo dizem que também e a personalidade idem-idem. [e o meu pai que me diz 'és igualzinha à tua mãe' e acho que sente um misto de vaidade e tristeza de cada vez que mo repete]

mas eu falava do mar... e de me apetecer rodopiar nas ondas. 

prometo que vou escrever mais (na verdade não me custa nada, mas o imediatismo das palavras que me saltam normalmente da boca pede-me quase sempre o imediatismo das socials, e menos do blog). e prometo que vou ser menos difícil. [ele diz que foste um bocadinho; que tolice de dureza que fomos buscar sei lá onde]

 

imagem: pinterest