das mudanças

home decor

a mudança sempre foi algo que me inquietou - acho que todos trememos um bocadinho com as alterações de rotina, apesar de eu ter aprendido a gerir esse salto imprevisível para fora da zona de conforto desde muito cedo, por diversas razões - algumas boas outras nem tanto.

ainda assim, mudar mexe comigo. porque eu sou pessoa que lida mal com o imprevisível e que, no fundo no fundo, sempre buscou o equilíbrio, a estabilidade.

e na minha cabeça a mudança é exatamente o contrário disso. 

ainda assim, tenho procurado lembrar-me todos os dias que when things seem to be falling apart, they might be actually falling into place.

e as coisas fazem-me mais sentido. 

a propósito da mudança, já me pus obviamente a pensar o quarto (e quarto de vestir), a sala, o mini escritório de onde vos conto escrever... não sei se é exatamente isto que quero, mas se não tentar, como vou saber?

home decor

a propósito de mudanças de casa, li um artigo recentemente escrito por um designer americano sobre 10 coisas que devemos ter em casa aos 30 anos - achei super interessante porque algumas delas tenho de facto; ora vejam:

  • arte de que gostem e que vos traga boas memórias
  • uma estante de livros organizada
  • conjuntos de toalhas que combinem
  • uma planta - a casa fica muito mais harmoniosa e soa muito mais permanente, mesmo as alugadas
  • uma fotografia/tela sobre a cama (uma fotografia gira que transformem num mega retrato colado à parede)
  • uma coleção - pode ser de objetos de viagem como de moedas ou de móveis, o que entenderem, mas coleccionem
  • investir em bons acessórios de casa de banho que não de plástico!
  • uma vela favorita (well, diptyque of course)
  • duas mesas de cabeceira no quarto para um equilíbrio maior
  • um cadeirão longo na sala, que sirva de prolongamento ao sofá e onde se possam esticar à vontade
home decor

para já posso dizer-vos que praticamente vou abolir cortinados para deixar entrar a luz (talvez numa ou noutra divisão mantenha), quero um espelho no chão do quarto e ao lado uma pilha de revistas com velas em cima (a minha diptyque, claro); uma casa quase vazia onde me possa mover com liberdade e desprendimento.

atolhar não é para mim. encher também não.

sobrevivo bem com uma sala mini, um quarto luminoso e um quarto de vestir feito à minha medida.

o resto vem por acréscimo.

vai ser diferente. espero que seja para melhor. espero que seja o começo de algo bom.