sobre a maternidade (não estamos quase no #DiadaMãe?)

sempre achei que me queriam ouvir falar sobre isto, nunca achei que fosse tão cedo.

(calmaaaaaaaaaa, não não estou grávida!)

acontece que alguns amigos já casaram, muitas amigas estão à espera de bebé e de criançada sempre gostei. gostava de passar mais tempo com o meu sobrinho, por exemplo, é uma pena que a vida que atualmente tenho não me permita passar o tempo que eu gostaria com ele, mas também é verdade que faço uma ginástica gigante para estar sempre mais ou menos presente e esforço-me por fazer programas giros e diferentes entre os dois (os meus presentes são normalmente esses, mas isso tem a ver com uma atitude 'educativa' que me parece ser a correta face a várias condicionantes da vida).

mas por que raio estou eu a falar agora de maternidade se nem sequer estou grávida?

pois. no outro dia, num evento onde encontrei algumas caras conhecidas, alguns ex colegas de profissão (jornalismo), disseram-me:

- Estás igual, tenho-te seguido, já te casaste, avisa-me quando te casares, quando é que vais ser mamã? Aposto que vais ser uma mãe super querida!

ora. agradeci mil vezes os elogios e a curiosidade e o facto da minha felicidade lhes interessar. a sério que agradeci e a sério que agradeço. mas podem não fazer-me pensar em maternidade agora? é que isso causa em mim uma ansiedade dúbia: na verdade, eu até penso no assunto (verdade, eu quero ser mãe); por outro lado, ainda gosto muito do meu individualismo, da minha independência, da minha rotina doida que acalma quando decido desligar-me do mundo (acontece às vezes). e do facto de poder fazer isso tudo sem ter uma pessoinha à minha volta a exigir-me coisas. tempo do meu tempo, sobretudo. por outras palavras: ainda sou um bocadinho egoísta nisso, ainda não sinto que me apeteça ceder. 

mas e se de repente alguma coisa mudar em mim? e se de repente acordar de manhã e achar que 'olha, quero ser mãe e é agora'. 

bem, nesse caso, espero ter a sorte de ter ao meu lado um pai espetacular, dedicado e compreensivo, tolerante com a minha vida e as minhas manias e necessidades (preciso muito do meu tempo sozinha e um bebé muda isso). espero, sobretudo, encontrar o mesmo apoio noutras vertentes da minha vida (família, trabalho; e nós sabemos o quanto isso às vezes é difícil... estupidamente para todos). e espero saber escolher o momento certo, sendo que nunca será o momento e do certo sabemos lá. mas há de ser. há de ser.   

e vocês, o que acham disto? já são mães? vão ser? têm medo da mudança que isso possa causar nas vossas vidas? é algo que paralisa a vossa decisão? contem tuuuudo :)  

ps - já se riram com esta da Catarina Almeida?

boa sexta-feira!  :D