dos 30, da maternidade e das coisas que me apoquentam

Instagram Carol Buffara, fitness blogger / runner 

coisas que me preocupam. como é que vou manter o equilíbrio entre casa, trabalho, eu mulher, eu mulher independente que adora os seus momentos sozinha, eu mulher que não vivo - e sou uma seca - se não descarrego as minhas energias no desporto e eu com um apêndice para toda a vida. que nasce cá dentro, se transforma em barriga e depois se agarra que nem uma lapa (das fofinhas) sempre às saias da mãe. será que eu vou ser capaz disto?

isto preocupa-me. bem, na verdade não me preocupa a ponto de pensar mais do que pontualmente no assunto, até porque não estou a contar partir já para a aventura de ser mãe, mas uma pessoa começa a pensar nisto. e começa a pensar que a vida está tão boa assim e é já tão cansativa nestes moldes que será que vai ser possível torná-la noutra coisa, ainda melhor, mas com menos tempo? menos eu, mais nós, tu e eu? 

primeiro ponto que me parece claro: é impossível fazê-lo sozinha, é impreterível que a metade que lhe dê origem comigo me ajude neste processo doloroso de transição de eu-fit para eu-badocha (badochinha, vá). a sério que isto me preocupa (acudam, acudam). será que vou poder também eu deixá-lo a dormir enquanto saio para um treino rápido? será que os pais (homens) conseguem segurar as pontas? eu juro que não vou ser uma mãe negligente nem coisa que o valha que eu sou das pessoas mais preocupadas com tudo e todos à face da terra, MAS (!) dá para o pai substituir a mãe em pelo menos 30 minutos de 24 horas? (pleeeaassee)

eu e o crossfit temos um caso!

sigo a Carol Buffara há imenso tempo e ela é fonte de inspiração para mim há séculos, como eu espero ser em algum momento para vocês e vice-versa porque a vida é feita disto mesmo e é também por isso que existem os blogs. a semana passada a Carol escreveu este post no Instagram e de certa forma tranquilizou-me. pensei 'ah bom se tiver o ginásio aqui pertinho, que até tenho, consigo, saio, treino e volto; é fácil, afinal é fácil'. obrigada Carol por teres acalmado as minhas ânsias... mas será que é mesmo assim? não me assusta a transformação do corpo, não me assusta perder nada porque sei que não perco tudo, treino há imenso tempo, o meu corpo vai recuperar, tenho a certeza. o que me preocupa são as rotinas, o querer fazer e não poder, a duração da recuperação. mas sobretudo o tempo. o não ter tempo. é que um pai que decida ser o deste apêndice meu vai ter duplo trabalho: aturar-me a reclamar que estou badocha, que ando à pato e que os abdominais estão a desaparecer e segurar as pontas no pós. admito que não seja tarefa fácil. eu não sou fácil no meu estado natural (quanto mais com um ângulo de visão reduzido, já sem conseguir dobrar-me nem chegar aos pés). admitamos que não se fazem mulheres deste calibre de chatice, mas far-se-ão homens com tamanha paciência? quero acreditar que sim se não estou condenada. 

que o post da Carol inspire muitas mães e futuras mamãs. todas conseguimos!

(OS PAIS DÃO UMA AJUDA!!!) 

inspiração fit e planos de treino em categories \ voguefit

mantenham-se ativas!

treino por aqui: Instagram @ineslisboncover

;)