Factos e consequências

Facto: este fim de semana comi imenso. Consequência: a balança não acusou grande coisa (juro que não sei como!). Facto: adoro estar com a família (amigos incluídos - ‘a família que podemos escolher’; e eu escolhi poucos mas muito bons). Consequência: 48 horas de convívio feliz. Facto: o muesli do Pingo Doce sabe-me sempre melhor à noite. Consequência: há um pacote sobre a minha secretária que nunca dura mais de dois dias (esforços para um maior auto-controlo estão a ser feitos). Facto: hoje de manhã, enquanto me equipava para o treino, encontrei uma tshirt onde a minha mãe, em tempos, escrevera ‘Continua a ser como és: genuína. A mãe. Adoro-te’. Consequência: saudades… voltei a dobrá-la com carinho e decidi que vou levá-la comigo. Facto: gosto do sabor do gengibre. Consequência: passarei a fazer chá de gengibre com mel - deram-me a provar hoje. Facto: em Lisboa, nomeadamente na Graça, há caves com vista para o rio - agarrem-se. Consequência: esta frase e toda a conversa que se seguiu depois deu origem a muitas gargalhadas (as estridentes eram minhas). Facto: gosto de sorrir. Consequência: sorrio mais do que sei. Facto: lembro-me sempre dos dias em que vou à praia no inverno. Consequência: o dia de ontem já está sinalizado na agenda, com uma nota. Facto: sou uma mimada e gosto que me façam as vontades (tudo q.b). Consequência: o amor é a melhor resposta para isto (alerta vermelho para quem não o sente assim!). Facto: a Carlota gosta de se sentar ao meu lado enquanto conduzo. Consequência: faz de co-piloto muitas vezes, atenta que só ela. Facto: lembro-me de muita coisa. Consequência: não lamento nada. Facto: gosto de estar apaixonada. Consequência: às vezes, sou chata de tão lamechas e dura de tão exigente. Facto.