Mais cortes. Na RTP

Que é feito da Fernanda Freitas, programa Sociedade Civil, RTP2? Hoje surpreendeu-me Eduarda Maio no lugar da apresentadora habitual e fiquei meio boquiaberta - menos genuinidade, graça, simpatia. Mais um corte, como foi o de Jorge Gabriel e Sónia Araújo, que saltaram das manhãs para as tardes (de sábado); neste caso, o corte parece-me óbvio e lembro-me até de o ter estudado e defendido na altura em que apresentei a minha tese de mestrado: era ÓBVIO que, mais tarde ou mais cedo, os cinzentões da 1 (a palavra é da própria administração em entrevista a um órgão de comunicação social cujo nome já não sei, mas que li recentemente) acabariam por ser substituídos. Faltava só escolher os substitutos - mas eles já se vinham a desenhar há algum tempo… E eis que Tânia Ribas de Oliveira regressa da maternidade radiante e - mais natural impossível - pegam nela e em (João) Baião e renovam as manhãs da 1. Já não era sem tempo! Da Fernanda, acabo de perceber - estou agora a ler uma nota do DN que comenta o sucedido - que saiu por decisão própria, devido aos 65% de cortes (65%!?) ao programa. Tenho pena. Há muita coisa que não será igual sem a Fernanda. E o problema maior é que como a Fernanda há tantos (por aí).