o caos na eficiência

Não ter tempo para ler as notícias nem pesquisar os ‘meus sites’ é mudar-me da secretária para a cama a cada duas horas. Ou da cama para o andar de baixo - para tirar dúvidas, receber umas dicas ‘manual de sobrevivência’ e voltar. Sempre de livros em punho. No meio disto tudo - percorrer 1 km aqui é praticamente sacarem-me metade do dia -, só é engraçado ser suficiente descer ao lobby do prédio para abrir uma conta bancária (com um agente) ou carregar o telemóvel. Neste caso, é preciso já ter ligado para o supermercado, loja, o que estiver mais próximo, para que um rapazinho me venha entregar pessoalmente - em apenas dois minutos - o talão do carregamento. É confuso de tão louco, tão subserviente e ‘estranhamente’ organizado. Ainda estou a habituar-me. Não sei se bem, se mal.