podemos sempre seguir um caminho (mais) fácil. permanecer fiéis a um espaço e a alguns rostos. achar que não somos capazes - ‘quase’ sempre somos e ‘quase’ nunca percebemos isso; a culpa é só nossa: não nos concedemos essa oportunidade. podemos sempre crer que é desistência mais do que investimento. perda de tempo mais do que enriquecimento. erro - às vezes falha - mais do que oportunidade. podemos sempre ser exatamente aquilo que quisermos sem deixarmos de ser nós e o que somos (isso) não chega para nos definir. algo em que acredito. ninguém me contou ou disse, simplesmente percebi. ainda cedo, o que me parece ser, na vida em geral, uma vantagem. hoje quis compensar o meu esforço e trabalho e decidi seguir para o ginásio depois do primeiro voo.   Le Meridien Hotel  . Matei saudades de uma das minhas aulas preferidas (quase me senti em casa). Aproveitei para conhecer o espaço: duas piscinas (uma de ‘recreio’ com bar incorporado e outra para prática desportiva), um espaço onde acontecem diariamente   workshops de cozinha   com um chef francês (fui perguntar-lhe informações a propósito e estou em crer que muito em breve estarei a bater claras naquela mesa), ‘uma  village ' à  luz das velas, ar livre, música ambiente com concertos de jazz e outros , complementado por um  buffet  soberbo a um preço relativamente acessível. just 5 minutos de casa. e eu a achar que vou passar aqui a vida. se podia ter escolhido não partir? podia. se as saudades me moem? também. mas por esta hora estaria sentada na minha secretária a contar dias (talvez horas) e tostões, e a rever possibilidades. e tudo isto jamais teria existido. não lhe chamo sorte. prefiro o simples prazer de aproveitar a vida. que me é inato.    
 ps - na imagem algumas coisas - para além das mencionadas acima - que me têm ocupado o tempinho livre.

podemos sempre seguir um caminho (mais) fácil. permanecer fiéis a um espaço e a alguns rostos. achar que não somos capazes - ‘quase’ sempre somos e ‘quase’ nunca percebemos isso; a culpa é só nossa: não nos concedemos essa oportunidade. podemos sempre crer que é desistência mais do que investimento. perda de tempo mais do que enriquecimento. erro - às vezes falha - mais do que oportunidade. podemos sempre ser exatamente aquilo que quisermos sem deixarmos de ser nós e o que somos (isso) não chega para nos definir. algo em que acredito. ninguém me contou ou disse, simplesmente percebi. ainda cedo, o que me parece ser, na vida em geral, uma vantagem. hoje quis compensar o meu esforço e trabalho e decidi seguir para o ginásio depois do primeiro voo. Le Meridien Hotel. Matei saudades de uma das minhas aulas preferidas (quase me senti em casa). Aproveitei para conhecer o espaço: duas piscinas (uma de ‘recreio’ com bar incorporado e outra para prática desportiva), um espaço onde acontecem diariamente workshops de cozinha com um chef francês (fui perguntar-lhe informações a propósito e estou em crer que muito em breve estarei a bater claras naquela mesa), ‘uma village' à luz das velas, ar livre, música ambiente com concertos de jazz e outros, complementado por um buffet soberbo a um preço relativamente acessível. just 5 minutos de casa. e eu a achar que vou passar aqui a vida. se podia ter escolhido não partir? podia. se as saudades me moem? também. mas por esta hora estaria sentada na minha secretária a contar dias (talvez horas) e tostões, e a rever possibilidades. e tudo isto jamais teria existido. não lhe chamo sorte. prefiro o simples prazer de aproveitar a vida. que me é inato.   

ps - na imagem algumas coisas - para além das mencionadas acima - que me têm ocupado o tempinho livre.