Sobre os estudantes

Eu gosto pouco de insistir nas más notícias, daquelas que o mundo está farto de ler - e ouvir - mas faz-me alguma (para não dizer muita) confusão saber que há cerca de 6 mil (6 MIL!) estudantes em risco de não completarem o ensino superior (nota: quando o número de desempregados inscritos nos centros de emprego já ascende aos 648 mil). Foram pessoas que não se inscreveram nas universidades, por dificuldades económicas; e há certamente os que se viram obrigados a desistir dos cursos, estando já inscritos. Se isto não é um país (quase) do terceiro mundo, que não reconhece o direito à educação como essencial, não sei o que é. Eu receio por este Portugal que baixa os braços ao futuro. Porque inviabilizar a educação de um povo, é pôr em risco o futuro do país. E lamento por aqueles que hoje se manifestaram no Marquês de Pombal. Há alguém que olhe para isto e que zele pelos miúdos que um dia terão de substituir outros nas empresas? Filhos, primos, netos, sobrinhos, afilhados de todos (nós). Tenho a certeza que sou uma pessoa diferente por ter prosseguido os estudos. Estudar tornou-me mais crítica, atenta e interessada. Fez-me ir além da minha realidade. Tornou-me mais sensível e permeável ao mundo. Permitiu-me conhecer e adquirir competências para investigar. Fez-me gostar dos livros. E sem livros, nem conhecimento em redor, a nossa vida é muito mais pobre. Muito mais triste.