Uma casa só passa (começa) a ser nossa quando dela fazem parte pedaços de vida, experiências, memórias que nos ligam ao que deixámos (sem deixar) para trás.

Não precisamos (não preciso) de muito; só de saber que posso prosseguir porque há quem e o que me espera noutro lado - em vida. Ou noutro ‘espaço’.

Saber que lhes consigo chegar sem efetivamente estar lá apazigua-me. Transmite-me o equilíbrio que momentaneamente se pode perder quando se está longe.

A minha casa (quarto) ainda não está completa - quero um sofá, umas almofadas listadas, outras de pêlo, roupa de cama, tapetes (zebra, talvez), uns vasos e umas plantas, e mais uma bujigangas.

Eis as primeiras compras de uma tarefa gira que começa finalmente agora.

No IKEA (Dubai).

O QUÊ?

'guarda' jóias

cesto roupa suja

tapete casa de banho

velas

copo para velas

molduras: branca, metalizada e pinho